Novidades

Testes

Competição

História

Apresentação

Home » Testes

10 MIL KM COM O DAFRA CITYCOM 300i

Enviado por on 2 de Julho de 2012 – 2:2548 Comentários

Há pouco mais de um ano, em outubro de 2010, travávamos o primeiro contato com o Dafra Citycom 300i, o scooter de rodas grandes que além da modernidade chegava com preço arrasador, R$ 12,3 mil, estabelecendo uma relação custo/benefício excelente. O veículo fabricado pela Sym, de Taiwan, tinha como boas credenciais dois anos de grande sucesso no mercado europeu. Aqui, de cara agradou pelas belas linhas traçadas por Pierangelo Andreani, da Nova Design Europe. Baseado no biótipo europeu, ele fez um scooter alto, ideal para encarar nossas irregulares ruas e estradas. E foi justamente nesses campos que iniciamos nosso tradicional teste Longa Duração com o modelo de bons 23 cv e transmissão automática contínua (câmbio CVT). Era justamente este último que suscitava algumas dúvidas quanto à durabilidade: ele resistiria aos bons maus tratos dos sádicos de Moto!? E o quadro tubular de aço, do tipo “underbone” e com balança de alumínio, suportaria a buraqueira deste nosso Brasil?

Scooter a campo, na cidade percebemos que um litro de gasolina era suficiente para percorrer cerca de 25 km/l, marca razoável frente ao bom desempenho oferecido – em pouco espaço era possível registrar 120 km/h no painel. Suspensões firmes e boas frenagens também nos animavam, apesar de o parabrisa ter gerado críticas quanto à distorção que provoca nas imagens. Apesar do banco um tanto alto, a posição de pilotagem, a agilidade e a potência do motor faziam do Citycom um scooter fácil de pilotar e até divertido. As rodas grandes e bom esterço do guidão ao trafegar entre os carros realmente facilitavam a vida. Só era preciso um pouco de cuidado com o freio traseiro, que fazia travar a roda traseira com certa facilidade de tão poderoso.
Esse início de teste foi muito tranquilo, o primeiro problema só surgindo aos 1.500 km, quando se queimavam uma das duas lâmpadas das lanternas traseiras (graças à duplicidade, nada de ficar no escuro!) e outra do pisca esquerdo, também traseiro. Mil quilômetros depois era efetuada a primeira troca de óleo pós-revisão gratuita, quando se assinalava o consumo de 100 ml de lubrificante, considerado normal.
Aos 3.000 km, estrada, dentro dos limites legais de velocidade (por volta de 100 km/h indicados): o consumo melhorava para 29 km/l nessa condição. Como o tanque do Dafra tem capacidade para 10 litros, a autonomia chegava a razoáveis 290 km. Somente aos 5.200 km o óleo seria novamente trocado, sem notificação de consumo anormal. Curiosamente, as primeiras pastilhas de freio a terminar foram as traseiras, aos 6.500 km: é comum “carregar” um pouco mais no manete esquerdo quando se pilota esse tipo de scooter, que tem grande concentração de peso atrás.
Mais assustador foi o funcionamento irregular do câmbio CVT nessa mesma quilometragem: nas saídas de semáforo observavam-se alguns trancos, que certamente logo prejudicariam todo o sistema caso não fossem tomadas providências. O problema era o típico dos scooters CVT: cubo da polia completamente seco. Bastou desmontá-lo e lubrificá-lo para tudo voltar ao normal. Assim o Citycom pôde chegar aos 10.000 km sem qualquer outra novidade. O custo total de R$ 1.217 com gasolina equivale a R$ 0,12 por quilômetro rodado. Mas e na mecânica, o que se desgastou, qual o prejuízo?

Em pedaços – Era hora da desmontagem para conferir. Inicialmente o que nos chamou a atenção foi a limpeza de câmara de combustão, topo de pistão e válvulas. Parte devido à mão direita nervosa de nosso editor Quinho Caldas (o que mais rodou com o Dafra), parte em razão do uso de bom combustível, e finalmente graças à boa combustão que acontece neste moderno motor. Excelente era o estado do comando de válvulas e de sua corrente de acionamento, como novos.
Prosseguindo na “busca”, nos deparamos com um curioso filtro de óleo magnético, no qual as partículas de aço (mais prejudiciais que aquelas de alumínio ou outros materiais igualmente “macios”) grudam e saem de circulação. Providencial… Outra boa surpresa ocorreu quando tivemos o cilindro em mãos: é compacto, levíssimo e tem material antiatrito em suas paredes internas. Resultado: estava como novo, a exemplo do pistão. Mas, antes disso, tivemos uma má notícia em relação às guias de válvulas de escapamento, já um tanto gastas. Teriam se aquecido demais? Por sua vez, as de admissão se encontravam em bom estado. De qualquer forma, os efeitos práticos que poderiam ocorrer com as guias gastas, queima de óleo e perda de compressão, não ocorreram.
Prosseguindo, vimos biela, virabrequim e mancais intactos, os 10.000 km não foram nada para essas peças. Outro desgaste importante só fomos encontrar nas faces da polia acionadora do câmbio CVT, que já apresentavam ligeiros “calos”, mostrando que sofreram com o atrito intenso da correia. Calculamos que lá pelos 30 mil a 50 mil quilômetros esse fenômeno já poderia apresentar seu efeito, que seria impedir o sistema de atingir a “marcha mais longa” – é como se um câmbio de seis marchas perdesse a última, uma vez que a correia passaria a atingir uma altura menor da polia. Por enquanto, ainda estava tudo bem.
O painel do Citycom, que combina mostradores analógicos e digitais, não apresentou qualquer anomalia durante o teste, nem mesmo uma lâmpada queimada sequer. Os ponteiros permaneceram firmes e mantiveram a relativamente boa precisão. Quadro, caixa de direção, suspensões e rodas ignoraram as ruas paulistanas pra lá de esburacadas e cheias de lombadas, valetas e trechos de paralelepípedo.
Outro sistema que nos pareceu bem tropicalizado é o de injeção eletrônica de combustível, que bebeu de tudo um pouco, sem reclamar… E olha que só usamos “alcoolina” comum, originada em diversos postos, dentro ou fora de São Paulo. Fígado de aço!
Agora o Citycom (que hoje tem preço sugerido de R$ 13.390) será remontado dentro dos estritos padrões de fábrica para prosseguir em nossas mãos o teste, e revelar como ficará com o passar de mais e mais quilômetros. Esperamos que o bom funcionamento se mantenha – sabemos que não se trata exatamente de um veículo popular – mas seu (baixo) custo operacional e durabilidade se mostraram em patamar excelente, e quem é que não quer gastar pouco e não ter dor de cabeça com um veículo? Assim é o Citycom…

E MAIS…
Rodar com o Citycom nos deu despesas basicamente com gasolina. Foram exatamente R$ 1.217,97 gastos com 451,29 litros de combustível, comprado ao preço médio de R$ 2,69. Ou seja, desembolsamos R$ 0,12 a cada quilômetro rodado. A média de consumo do scooter foi de 21,7 km/l – melhor marca de 30,1 km/l e pior de 15,5 km/l. São números condizentes com o desempenho oferecido, sem contar que o Citycom tem câmbio automático, que em geral implica consumo maior.

 

LEIA TAMBÉM:

  • http://! Daniel

    gostaria de parabenizar a excelente materia e dizer que a minha city, ao chegar aos 10000 passou pelos mesmos problemas e que me impressionou o diagnostico segunte

    O CUB0 DA POLIA SECO, Causando trancos… identico e na mesma kilometragem!

    grande ABRACO!!

    DANIEL

  • FLÁVIO

    Meu Citycom está prestes a completar 3.000km rodados; contudo, sem nenhum dos problemas apresentados por aquele usado pela redação. Ufa!
    Os resultados do teste me deixam ainda mais satisfeito com o versátil veículo; o qual, a cada dia sem chuvas, permite que o meu carro fique mais na garagem do que nas ruas.
    Parabéns pela matéria!

    • marcos

      vale a pena a citycom 300i pelo consumo por km rodado, quanto tava fazendo a sua quando nova, e quanto faz agora porkm porlitro rodado após já ter rodado 3000km?

    • marcos

      creio que não terá problema de fábrica se não teve até agora a moto está aprovada, eu estou pensando em comprar o modelo, você pode me informar como está o gasto ( se já teve ) com peças, pneus e outras manutenções, se está dentro da média para um modelo acima de 250cc, ou os penus foram feitos para durarem até os 10000KM? Quanto ao consumo dentro da cidade a uma velocide máxima de uns 60km qual o consumo médio dela? Este consumo costuma ser com passageiro? Ela é confortável para o motociclista quando há passageiro?

      grato

  • sérgio francisco

    Tenho uma 2010 e ela está apresentando trepidação na roda dianteira quando atinge 60km/h …. já balanciei e nada… a caixa de direção não tem folga…

    • Fernando

      Pneu. Provavelmente você encarou um buraco que danificou o pneu dianteiro, mesmo que aparentemente o defeito não se apresente. Recomendo a troca do pneu.

    • gustavo

      Sérgio, estou exatamente com o mesmo problema. Vc tem baú? Eu tenho. Conseguiu resolver? Obrigado! Abraço, Gustavo

  • Hermano

    Sérgio, essa vibração na roda dianteira é comum quando se coloca bauleto mas se resolve colocando outros contrapesos p/ compensar (nas pontas de cada lado do guidom).

    Em resumo a scooter é ótima, mas coitada, não tem culpa de ser representada pela Dafra aqui no Brasil.

    Recomendo a scooter, mas a marca…tsc…tsc

    Abraços

  • Alvaro Albornoz

    Boa tarde Senhores… A minha ta com 12000 km, com 3000km tive que trocar um rolamento de bancada que veio defeituoso e desde 2000km ela tem um barulho chato na arrancada, parece que um ferro roça em outro. Quanto mais peso tem na moto pior se vc arranca suave nao chega a fazer. Vcs tem ideia de que pode ser? Ja engraxei cubo, troquei e comletei oleo da transmissão e etc… Grato

    • Oshiro

      Alvaro, conseguiu resolver? Estou com o mesmo barulho chato!

  • francesco di bernardo

    bellissima materia grazie…………..

  • http://globo.com MOLINARI

    Amigos,

    No cavalete central há um rolete para deslizamento embaixo do motor, pode estar engripado e fazendo barulho de ferro com ferro, joguem um w.d. lá.

    Abs

  • Marcos

    Boa tarde. Tenho uma 2011, esta com 4600km. ela desde de zero apresenta um barulho irritante semelhante a um grilo, a scooter place, empresa onde comprei e fiz todas as revisões ate agora, não solucionou. E agora ao dar a partida algumas vezes o motor de arranque falha, vou levar novamente a concessionária, aproveitar a garantia de fabrica e ver se consertam.

    • Pedrito

      Marcos, a minha ficou um tempo com o Grilo. Vim a perceber que era aqueles parafusos que seguram o para lamas traseiro. Pode ser problema de reaperto dos parafusos.

    • roberto

      a minha 2011 também tinha esse barulho, era o rolete de borracha do cavalete

    • Bruno Blumetti

      O som de grilo, normalmente é uma ruela no meio do cavalete central, passa um lubrificante ali que resolve. ;)

  • Marco Aurélio Alvim de Carvalho

    Moro num lugar quente e com ruas dentro de um padrão brasileiro(baixa qualidade das vias). Uso diaramente e confesso qu nos meus primeiros 3.000 km foram zero de problemas. Compraria novamente e outra se provavelmente daquia algun anos! Quem tem gosta… e muito!

  • LUCILENE

    Bom dia Pessoal,

    Estou querendo comprar uma City 300 mais fico bem insegura por conta da marca “DAFRA”,acabei de me desfazer de uma Kasinki Prima 150 que só me dava problemas….

    Vocês podem me ajudar?
    Essa moto apresenta muitos problemas ?
    Posso ter a mesma segurança de qualidade de uma moto Honda ou Yamaha?

    Obrigada pela ajuda

    • Luciano

      Fórum sobre a Citycom… para quem pensa em comprar… vale a
      pena pesquisas.
      http://citycom.forumeiros.com/

    • Antonio

      Pois é, Lucilene, também tive o desprazer de comprar uma moto da marca DAFRA. Nunca mais !!!
      O negócio é ficar com as marcas conhecidas HONDA, YAMAHA E SUZUKI.
      Tive uma KANSAS 150. O cavalete central preso por uma frágil cupilha, soltou sozinho com menos de 2.000km rodados. O cromo tabajara começou a descascar rápido.
      Sofri uma queda e ao cotar o preço do paralamas e do farol, quase caí pra trás.

    • Pedrito

      Luciene, fique tranquila. A minha ja esta com 12.000Km e nunca aconteceu nada. É boa de tudo, já indiquei-a varias vezes e todos compraram. Boa sorte

      • Pedrito

        Desculpa, foi pra pessoa errada.

    • Pedrito

      Luciene, fique tranquila. A minha ja está com quase 12.000Km e nunca houve nada.
      SE precisar de algo específico pode perguntar.
      Boa sorte.

    • roberto

      Nada contra a Dafra, mas não se preocupe pois quem fabrica é a Tailandesa SYN, é um excelente produto tenho uma 2011, tinha uma burgman 125 e o custo de manutenção da citycon com 8.000 km dá de 10 a 0 na suzuki, sem falar na segurança e conforto na pilotagem, a média está em 26km, ontem levei a concessionário Moto Point para lubrificar o sistema CVT que nas arrancadas estava trepidando também pedi para verificar um sensor que por mal contato desliga o motor aconteceu comigo uma vez hoje retirei hoje, está ótima inclusiva lavada e acreditem não cobraram nada pelo serviço.

  • josé luiz

    Tenho uma Citycom a 8 meses e ja rodei 12.000 Km e só troquei óleo e as pastilhas de freio.
    Fiz todas as revisões na concessionária e sempre fui muito bem atendido, não gastando muito mais que o valor das peças e do óleo.
    Só tenho elogias à moto.
    Vários amigos estão trocando suas Burgman pela citycom e todos estão satisfeitos.

  • daniel

    boa noite
    moro em sao paulo-capital e como todos sabem milhoes de buracos surgem e nada é feito pra tapar, mas enfim minha citycom nao chegou aos mil km, porém sinceramente nao consegui me adaptar as chacoalhadas e pulos que ela da em qq buraquinho ou irregularidade, engracado é que ninguem comenta isso em nenhuma reportagem ou blog, ja tentei diversos ajustes na suspensao, mas nada melhorou, sinto uma vibracao e solavancos muito fortes na parte dianteira, e a minha tem um barulho estranho quando vira pra direita parece que algo esta fora do lugar, enfim esou esperando chegar aos mil km pra ver o que rola, mas achei que ela fosse melhor do que realmente é..sinceramente nao me sinto seguro pilotando ela, e no corredor ela nao vai nada bem pois é larga demais..de resto é otima..alguem sabe me dizer se essa trepidacao, pulos e solavancos acontece normalmente ou eu fui premiado com algum defeito?
    obrigado

    • Bruno Blumetti

      Não sei se vc já andou com outra scooter, mas é normal ter mais trepidação que moto. A minha apresenta menos trepidações, pulos e solavandos que a Burgman da minha noiva, e me sinto muito mais seguro nela. Se comparado com uma Burgman a sua for realmente pior, deve ter algum problema mesmo…

    • luis

      bem preste atenção em uma coisa embora seja uma sooter você sabe quanto ela pesa é lógigo que não é desculpa deveria ter ocorrido uma adaptação para nossas ruas que não houve ou seja suspensão principalmente dianteira pois á traseira tem peso suficiente para mante-la no chão, cara eu tenho uma e nem quero entrar em outros detalhes más eu acho que o que pode te ajudar um pouco é regulando os amortecedores traseiros ou seja as molas subindo elas você sente á frente mais firme no asfalto pois a inclinação ajuda no equilíbrio do peso. Boa sorte.
      Na sua nova moto cujo nome é “SYM” feita e produsida para asfalto oriental.

  • Douglas

    A Citycom tem a mesma mecanica que a da Europa. Eu tenho a minha por 7 meses ja rodei 6000 km e posso dizer que a moto é excelente. Ja tive diversas motos Honda e Yamaha, e te digo que a tecnologia, versatilidade, robustez e benefícios que o porta malas dela oferece. Meu Deus nem podemos comparar com motos populares que vimos na rua.

    Abs e boa sorte !

  • Pedro

    Tenho um Citycom desde final de 2010. Hoje ele está com mais 13.500km e ainda pra trocar a correia! Nunca tive um único problema com o scooter!! Troco óleo normalmete de 3.000km como recomendado e confesso que tenho até abusado desse limite… Em certas trocas, rodei quase 4.000/4.500km e só senti a moto “mais presa” do que o normal…mesmo assim foi um risco… Recomendo 100% sobre qualquer outra moto nessa categoria de 300cc… Melhor de tudo: não molha as calças nas poças/dias de chuva…e arranca que é um beleza!… Podem comprar que esse modelo é muito diferente de tudo que a Dafra já trouxe/montou no Brasil…

  • sergio ney de oliveira

    Bom adquiri a citycom 300i 2010/11 a um mês com 3.200 km hoje ela está com 4.500 rodados estou gostando, ponto negativo vibração na direção após 40km até 90 depois estabiliza há quem diga que é por causa do baú, já fiz o teste e não procede mandaram colocar pesos no guidão ainda não o fiz mas não acredito que va resolver este problema, alguem já resolveu este problema?

  • Mauricio Achcar (PULGA)

    Boa noite, comprei uma 2012 zero e já rodei 10000 e não tive nenhum problema, esse negócio que falam de trepidação no guidão por causa do baú é balela, com ou sem baú trepida sim, sei que a balança traseira suporta praticamente todo peso da moto e isso faz com que a frente fique muito leve e essa trepidação se deve a isso, não adianta contrapeso, tirar o baú, por o baú vai trepidar de qualquer jeito, troquei esses dias a correia do cambio, eu mesmo fiz o serviço é muito fácil a troca, agora vou trocar o óleo de cambio e me foi dito que o óleo de cambio é SAE 140 e eu achei muito grosso mas a especificação é essa fazer o que né vou por esse mesmo…abraços qqer pergunta sobre a citycom pode fazer que eu responderei com manutenção também, ABRAÇOS.

    • Péricles

      Caro Mauricio (Pulga) Realmente parece crônica a tal da vibração dianteira. Com 4.300Km fui a um “especialista ?!” no assunto rodas. Me fez trocar o pneu dianteiro, balancear, trocou até o bico dizendo ser, o original, de automóvel, e instalou um menor (de moto?!)Ficou a mesma vibração só transferiu de 60 Km para 70Kmm, grande coisa! Me senti meio otário…Quanto ao óleo do cambio, eles são mesmo mais viscosos, não só em motos como também em carros, acredito que trabalhem com menos rotação ou pressões quando comparadas às sofridas pelos motores.
      Abraço

    • Nenão

      Caro Maurício, queria uma opnião sua a respeito de lubrificar o cubo do CVT que falam pelos forums que alivia a vibração na hora da saída. Será que é facil fazer este procedimento? É preciso ferramentas específicas para desmontar o CVT? E que lubrificante eu posso passar para melhorar o arranque.
      É fácil a desmontagem e montagem do sistema, pois acho que a concessionária cobra muito por tão pouco serviço.
      Obrigado

  • carlos nelson s oliveira

    sou dono de marmoaria no rj e tenho 5 citycom, que e usado no trabalho por funcionarios que descontao na moto os ploblemas do trabalho.as motos praticamente nao tem manutencao roda ate quebrar e ate agora nao quebrou nem uma.obs a que eu uso esta com 22000km nunca foi trocado nada a correia e original,tem uma vibracao quando solta a direcao que melhora tirando os pesinhos do guidon ate os pneus ainda originais, so troquei o olio uma vez .normalmente as motos sao trocadas todo ano mais estas foram compradas em janeiro de 2011 e nao teve defeito ja vai para o segundo ano.elas ja se pagaram varias veses. deve durar pelomenos mais um ano. quando trocar vou continuar com o mesmo modelo, vale apena .tive outros modelos de marcas melhores, que com menos de 7 meses nao valia mais nada.para quem trata como uma moto particular deve durar muito.tenho uma honda varadeiro 1000 ano 2008 com 5000km que paguei 49mil e esta parada na garagem com a bateria descarregada eu nem ando mais,a citycom e otima para o dia dia nao da dor no corpo.um bom custo beneficil.

  • Valter

    Maurício

    Minha City está com 9000km. Eu gostaria de trocar a correia do cãmbio. Onde vc comprou (moro no interior de SP)?

    Grato, Valter

  • carlos nelson s oliveira

    amigo trocar a correia antes dos 15000km e jogar dinheiro fora .se vc tirar a correia fora e olhar ela vai estar praticamente nova.

  • Mauiricio

    Minha citycom esta com 12000 mil rodados. Comprei zero e ate agora so tenho tido um unico e persistente problema … interruptores de freio.
    Ja troquei dois, e no momento enconta-se com ambos em pane. Ontem fui obrigado a sair com a outra moto que tenho por nao poder dar partida!
    Fora isso a scooter eh excelente.

    • Nenão

      Já houví falar que os interruptores de freios da Yamaha servem sem adaptação nenhuma, não sei se é verdade.

  • LUI

    Comprei a minha Citycom e com 300km começou um barulho na parte da frente, ferro com ferro, toda vez que passo em uma agulha no asfalto.

    O barulho está aumentando e acho que já está atrapalhando a direção.

    To achando que é na caixa de direção, mas ela não apresenta folga aparente.

    Levei na concessionária de Catanduva e o mechanico não quiz enfrentar o problema e disse que é normal.

    Pergunto aos amigos, é normal mesmo??? Ela bate ferro toda vez que passa em buraco???

    Abç

    Luís

  • jos

    qual consumo real da moto após os 3000KM? 15 km/l? 21kml? ou 29?

    • Elly Pinatel

      Rodando 150km de estrada com guarupa, mantendo 120/130 km/h, média de 20km/l
      Cidade rodando com mão de moça, ou seja, até uns 60km, com picos de até 5000rpm, chega à homéricos 30km/l!
      A minha está com 13.000km!
      O guidão “shima” entre 40 e 60 km/l, culpa dos buracos que amassam a roda, criando um bico pro lado, isso desalinha a roda e acaba com os rolamentos!

  • andre marins

    amigos ja tive varias motos honda yamaha scooter e nada absolutamente nada se compara ao conforto e tecnologia da citycom nota 1000 podem comprar recomendo a todos tenho uma 2011 otima moto

  • marcio

    Tenho uma citycom 2013,esta com 1200km otima para a cidade e boa para viagem,nao levei na cc para a revisao e nao pretendo levar devido as reclamacoes da cc que ja li a respeito,optei em fazer as revisoes em uma oficina de minha confianca abrindo mao da garantia da c
    itycom,mas e uma otima scooter sem duvidas.

  • beto

    oi Bom dia, tenho uma citycom e adoro..mas tou c um problema: a moto as vezes n liga ..liga o painel td funciona e não da a partida, fui na consecionaria ..troquei stop de partida, botão e ninguém sabe oq é …hj ela me deixou na mao de novo…alguém já teve ou soube desse problema? grato Beto

  • angel friend

    Verifique se não ha mal contato num botão fixado no suporte do pezinho da city, ali costuma entrar muita agua de chuva e causa mal contato, Levante e abaixe varias vezes o pezinho da city pode ser que volte a dar contato, caso contrario deve ser trocado. Este contato é fundamental pra dar partida na cty juntamente com os contatos dos manetes (esquerdo ou direito)

  • Maicon Moreira

    Pessoal, boa tarde!
    Sou do RJ e estou pensando em pegar uma Citycom no fim desse ano ou inicio do próximo, mas ela será meu único meio de transporte durante aproximadamente 1 ano. Usarei para trabalhar, não sei se todos os dias, e fins de semana para passeio com a esposa e viagens dentro do Estado. Meu trabalho fica 78km da minha casa, sendo assim, andaria 160 por dia (um trecho Dutra e Av Brasil). Pensei na Citycom por ser uma viagem longa e exigir uma moto que me dê um certo conforto nos dias de chuva, pelo bagageiro que dá pra guardar as tralhas da faculdade e pelo banco ser largo proporcionando maior conforto para o carona.
    Diante de tantas leituras minhas duvidas são: A Citycom aguantaria essa rotina? A manutenção dela é cara? Alguns comentários que li sobre o custo me assustaram… Vale a pena pegar uma semi nova ano 2013 ou 2012, por exemplo? É verdade que esse tipo de moto fica com motor fraco rápido? Enfim, de tudo o que mais me assusta é enfraquecimento do motor e a manutenção. Agradeço ajuda. Abraço

  • Maicon Moreira

    Pessoal, boa tarde!
    Sou do RJ e estou pensando em pegar uma Citycom no fim desse ano ou inicio do próximo, mas ela será meu único meio de transporte durante aproximadamente 1 ano. Usarei para trabalhar, não sei se todos os dias, e fins de semana para passeio com a esposa e viagens dentro do Estado. Meu trabalho fica 78km da minha casa, sendo assim, andaria 160 por dia (um trecho Dutra e Av Brasil). Pensei na Citycom por ser uma viagem longa e exigir uma moto que me dê um certo conforto nos dias de chuva, pelo bagageiro que dá pra guardar as tralhas da faculdade e pelo banco ser largo proporcionando maior conforto para o carona.
    Diante de tantas leituras minhas duvidas são: A Citycom aguantaria essa rotina? A manutenção dela é cara? Alguns comentários que li sobre o custo me assustaram… Vale a pena pegar uma semi nova ano 2013 ou 2012, por exemplo? É verdade que esse tipo de moto fica com motor fraco rápido? Enfim, de tudo o que mais me assusta é enfraquecimento do motor e a manutenção. Agradeço ajuda. Abraço