Novidades

Testes

Competição

História

Apresentação

Home » Testes

Teste: Honda CB 600F Hornet, sucesso mundial

Enviado por on 5 de Abril de 2011 – 17:3015 Comentários

Uma moto de sucesso: esta é uma boa definição para a Honda Hornet. E tal sucesso não se restringe ao mercado brasileiro, mas sim ao planeta. Esta naked da Honda, que entre nós está em sua segunda versão, é uma espécie de galinha dos ovos de ouro para a Honda, especialmente no competitivo mercado europeu, onde dominou a cena naked durante anos até as outras marcas “acordarem” e oferecerem motos capazes de lhe fazer frente. Mas mesmo com o advento das excelentes Kawasaki Z750, Yamaha FZ6 e outras, a Hornet ainda é um moto que traz tudo aquilo que fez dela o que ela é: facilidade de uso, beleza, performance excelente e bom valor de revenda.

Esta segunda edição da Hornet atualmente à venda no Brasil praticamente não tem nem um parafuso sequer em comum com a Hornet antiga. Lançada na Europa em 2006 e no Brasil no início de 2008, somente agora começa a mostrar sinais de precisar de uma reformulação, o que deve acontecer no final deste ano já que na Europa há um modelo novo circulando faz algum tempo. Mas, independentemente da idade de seu projeto a Hornet à venda no Brasil continua estéticamente válida e uma excelente opção em termos de média naked.

À BORDO – Ao montar na Hornet ja percebemos o que fez dela um best-seller. O painel é belíssimo e bem completo. O grande tanque de 19 litros tem um formato que não prejudica encontrar um bom posicionamento ao guidão, que é ligeiramente aberto. Os pés encontram pedaleiras relativamente baixas, que não deixam as pernas muito encolhidas. Enfim, um posicionamento ergonômico, confortável.

Uma das grande diferenças da 1ª geração de Hornet vendidas no Brasil para esta 2ª geração é a introdução da alimentação por injeção eletrônica de combustível, aposentando a bateria de quatro carburadores. E isso fez crescer em cinco cavalinhos a potência máxima. Além disso, para ajudar a performance global desta Honda,  o peso a seco que era também diminuiu, de 181 kg para 173 kg. De onde tiraram estes 8 kg? Na atual Hornet tanto o quadro como a balança de suspensão traseira são de alumínio em vez de aço, e, além disso, o motor, herdado da CBR 600RR, é mais compacto e 8% mais leve que o antecessor. Tais intervenções resultaram numa moto com boa evolução da ciclística. A suspensão dianteira é do tipo invertido, que oferece mais precisão em uso mais radical.  A única coisa que poderia se pretender a mais desta suspensão dianteira seria algum tipo de regulagem – ao menos de compressão da mola. Quanto à suspensão traseira, tipo Pro-Link, há ajuste de compressão da mola.
O motor, com 102 cavalos de potência máxima declarada e 6,5 kgm.f de torque, é um dos pontos altos desta Honda. Seja devagar em baixa rotação quanto em alta, acima dos 150 km/h, o quatro cilindros em linha mostra saúde de dar inveja: giro sobe sem oscilações, de modo mais uniforme até os 13.000 rpm, onde começa a faixa vermelha – apesar de a potência máxima estar na casa dos 12.000 rpm. Quanto aos freios, nota 10 ao sistema, que responde adequadamente e se mostra resistente ao fading mesmo quando exigido à fundo. Chama atenção a escolha dos pneus, o Bridgestone BT-012, que não é o mais atual da marca, mas é muito eficiente.

Notório é o som emitido pelo sistema de escape. A ponteira curta saindo embaixo da pedaleira do garupa oferece um ruído singular e tal sistema de escape, com uma grande “marmita” abafadora embaixo da moto, é um dos responsáveis pela resposta imediata do acelerador, deixando o motor sempre cheio, em qualquer regime.

Quanto ao consumo, a Honda Hornet é uma moto que não vai desfalcar suas economias dando alegria ao dono do posto de gasolina. Porém, e como sempre, a duração do tanque depende e muito de como será usado o acelerador. Em ciclo urbano, renunciando a aceleradinhas para ouvir o gostoso barulho do motor, ela é capaz de atingir excelentes marcas assim como na estrada se a velocidade for contida no limite da lei…

Custando R$ 33.260 na versão standard e R$ 36.680 na versão com freios ABS, a Honda Hornet ainda é uma excelente opção entre as medias naked de nosso mercado. A atrapalhá-la, fora o preço um tanto elevado, está o fascínio que ela exerce na bandidagem. Pois é, infelizmente nos grandes centros urbanos a Hornet exige ser guardada sempre em garagem ou bem acorrentada na rua, o que faz seu seguro ser exorbitante.

 

LEIA TAMBÉM:

15 Comentários »

  • vicente diz:

    CLARO Q É A MELHOR E TECNOLOGICAMENTE MAIS AVANÇADA,MAS A FOBIA DA YAMAHA EM TRAZER QUANTIDADES MAIORES DOS SEUS (BONS) PRODUTOS IMPORTADOS FACILITA A VIDA DA HORNET.HONDA AGRADECE…

  • Ricardo C. Barros diz:

    Esta é uma moto má…simplesmente má…maravilhosa. Falta só a Honda colocar a nossa em cima da risca com a nova disponível na Europa. O lugar onde ela mais vende sendo deixado por último.

  • Rods diz:

    É uma pena… Vc só ver Hornet pelas ruas…. Não que isso seja ruim, mas fica comum. Em encontros vc só ve esportiva japonesa e Hornet. Por isso nem vou a nenhum mais. Não há novas experiências pra trocar.

  • Ricardo C Barros diz:

    Uma moto má…simplesmente má…maravilhosa. Só falta o face-lift já divulgado por M!

  • Wellington Cassiano diz:

    A tecnologia não justifica o preço alto. Preferiria comprar uma Z750 se tivesse que escolher. Se o ruído original é tão bonito pq a maioria dos proprietários de Hornet instala ponteiras abertas? Para manter a vizinhança acordada?

  • ANTONIO AMÉRICO FILHO diz:

    Concordo com o Vicente, a Yamaha parece não confiar no próprio taco………..Quanto a Hornet ser excelente, nada a questionar, além de ser muito bonita. Pena os amigos do alheio gostarem mais dela que os próprios donos.

  • André diz:

    Geralmente quem nao pode ter nao gosta, melhor freio, melhor desempenho geral, melhor maneabilidade, o ronco original é uma delicia…..

  • Romão diz:

    Tenho uma Hornet 2010 e garanto que não consegui chegar ao limite dela nas estradas do Brasil e muito menos na cidade. Excelente escolha para qualquer tipo de pilotagem.

  • Rodrigo diz:

    De fato a Hornet está`sobrando`no Brasil,também pudera,a Yamaha não sabe o que quer da vida tinha a Fazer 600 que só aceitava ser tocada em giros altos,porque seu motor era herdado da R6 que também só rende em giros muitos altos,agora tem a XJ6 mas também não é a última palavra em modernidade e desempenho e aquele pneu 160 na traseira é de matar!a moto é muito bonita mas anda menos e a maioria dos clientes desse nicho quer desempenho.A Bandit uma senhora moto,senhora na idade porque o projeto é jurássico a moto é muito boa mas mesmo com o último face-lift ainda não a coloca em pé de igualdade com a Hornet nem com a Z750!A J.Toledo parece que tem medo de investir no Brasil,a Bandit foi a primeira 600 do mercado,a referência,era só se atualizar para manter o posto,cadê a GSR600 que existe na Europa?Vendo tudo isso a kawasaki trouxe a Z750 uma grande moto que está batendo a Hornet nos comparativos da mídia especializada,a potência até que não é tão superior assim mas a moto é muito bonita(a branca é fantástica)e o torque é um pouco superior também.A Kawasaki ainda peca no baixo número de concessionárias.A Hornet não é imbatível,basta as outras marcas se empenharem em fazer produtos que atendam a necessidade do público brasileiro,assim como fez a kawasaki.Eu tenho uma Honda mas queria trocar de marca se encontrasse um produto que atendesse minhas expectativas tanto de desempenho,design,confiabilidade mecânica e valor de revenda posteriormente.

  • Marcos Villa diz:

    Na categoria 600 naked, nao tem pra ninguem, a moto imbatível.
    No trânsito caótico costura como uma 300, na pista sobe e desce a 200 com folga.
    Tenho uma 2009, inteirassa, pau todo fim de semana.
    Agora, trocarei ela pela CB1000R, vamos ver se os cavalinhos a mais farão a diferença.
    Abraços a todos os Vespões!!

  • Marcos Villa diz:

    Em tempo, a minha tem ponteira..
    O ronco soa como música de Bach!!!

  • vava diz:

    e isso ai chega de conversa e vamo acelerar

  • matoso diz:

    Comprei a pouco menos de um mes..pra mim e a moto dos sonhos estou super satifeito a moto e bem acabada tem potencia de sobra e os 4 cilindros fazem a diferença….abc a todos

  • Grillo diz:

    Gostaria de uma ajuda dos irmãos das motos sobre a minha indecisão. Hornet ABS ou CB 1000 R (Standard).

  • Guilherme diz:

    Tenho uma 2013 sem abs e realmente é uma bela moto, compacta, potente e não muito gastona. ótima no trânsito urbano, fácil de pilotar, ótima nas curvas e um ronco incomparável. Tenho curiosidade de pilotar uma CB 1000R, e conhecer opiniões de proprietários para fazer um comparativo com a CB 600 hornet, compensa a troca? Até hoje não arrisquei comprar uma moto sem ser honda, pelos motivos de ter uma assistência técnica confiável perto de você, boa revenda. Sabe como é, nosso dinheiro é sempre curto para se ter uma moto, visto que temos que ter um carro ou dois na garagem para o dia a dia da família.

Deixe um comentário

*