Novidades

Testes

Competição

História

Apresentação

Home » Testes, Um mês ao guidão

BMW F 800 GS, UM MÊS AO GUIDÃO – PARTE 1

Enviado por on 20 de Março de 2013 – 23:578 Comentários

 

Primeiros quilômetros com a F 800 GS: 230 km, maior parte deles em estrada

Primeiros quilômetros com a F 800 GS: 230 km, maior parte deles em estrada

Poucas horas após o término do “UM MÊS AO GUIDÃO” com a Triumph Tiger 800 XC , Laner Azevedo, nosso piloto de testes, foi novamente acionado para dar início a uma nova avaliação. E não a toa a máquina escolhida foi a BMW F 800 GS,  concorrente mais do que direta de Tiger. Na verdade todos sabemos que a BMW F 800 GS serviu de elemento inspirador para os projetistas da moto inglesa,  já que o modelo da marca bávara desfruta de enorme aceitação e reconhecimento por sua eficiência. Assim, para entrar na briga do segmento, nada mais inteligente do que se inspirar no sucesso, certo?

Ainda que o objetivo de nosso “UM MÊS AO GUIDÃO” não seja uma comparação de modelos mas sim o convívio intenso e extenso por diversos condutores diferentes, e inegável que agora teremos uma preciosa chance de traçar um paralelo destas duas concorrentes mais do que diretas pela preferência de um consumidor de gosto muito apurado e… orçamento reforçado, já que se tratam de motocicletas que custam em torno de 40 mil reais, o que não é exatamente pouco.

Pequenos retoques de estilo  modernizaram a F 800 GS

Pequenos retoques de estilo modernizaram a F 800 GS

Lançada mundialmente em 2007, a BMW F 800 GS recebeu algumas modernizações para esta versão 2013.  A principal delas no aspecto técnico é que agora todas as F 800 GS vem equipadas com freios dotados de ABS (aliás, à partir deste ano não existe BMW sem tal dispositivo). Outro importante elemento é a inclusão do controle de tração ASC, que assim como o sistema ABS pode ser ‘desarmado” para uso em fora de estrada mais radical.

Como dissemos, Triumph e BMW se assemelham enormemente não só no aspecto estético mas também na arquitetura geral de seu chassi. Diferença forte, só no motor: do tricilindro inglês passamos ao bicilindro alemão, e de cara Laner nos relata suas primeiras impressões sobre este item. “A BMW F 800 GS tem o torque posicionado numa rotação mais baixa que na Tiger. Isso faz dela algo mais ágil no uso na cidade, ainda por cima em razão de um peso menor, cerca de 10 kg a menos na BMW do que na Triumph. A ‘pegada’ do motor a F 800 GS exige bem menos do piloto, que não precisa trabalhar tanto em trocas de marchas nem usar tanto a embreagem para manter o motor esperto. Resumidamente, nesses primeiros quilômetros posso definir o motor da F 800 GS menos agressivo do que o da Tiger mas, não se enganem, já que o bicilindro não é nada chôcho. Pelo contrário, já que os 10 cv a menos que o bicilindro oferece são compensados pelo peso menor e pelo torque mais espalhado em baixa”.

O bicilíndro BMW não "frita" as pernas de seu condutor

O bicilíndro BMW não “frita” as pernas de seu condutor

Uma grande diferença do modelo alemão em relação ao inglês é não esquentar demasiadamente as pernas do condutor. Porém, a contrapartida vem através de uma maior vibração, sobretudo na velocidade regulamentar em estrada, a 120 km/h em última marcha. Nas curvas de alta percorridas por Laner nestes primeiros duzentos quilômetros de nossa avaliação de 30 dias, a BMW apresentou um comportamento bastante saudável por conta de uma ótima estabilidade direcional e consequente segurança. Outros dois fatores que também mereceram observação foram a posição de pilotagem e a calibragem das suspensões. Diferente da Triumph Tiger, na BMW F 800 GS o piloto fica posicionado mais próximo do guidão, fazendo com que os braços fiquem menos esticados. Para o uso na cidade tal posicionamento facilita  as manobras, favorecendo maneabilidade e conforto. De um modo geral a calibragem dos amortecedores no modelo da BMW é mais rígida, e se isso por uma lado faz a BMW perder algo em conforto, a faz ganhar em estabilidade especialmente nas rápidas mudanças de direção.

CLIQUE PARA AMPLIAR

CLIQUE PARA AMPLIAR

 

 

O painel é simples e de feacil leitura

O painel é simples e de feacil leitura

Quando perguntado sobre a maior qualidade do modelo da BMW frente a da Triumph, Laner Azevedo não pestanejou: “a versatilidade é seu grande trunfo, já que a F 800 GS se sai bem no asfalto e seu desempenho em uso mais extremo, aventureiro, me faz intuir que será nítidamente superior ao da Tiger”. E para dar sequência ao “UM MÊS AO GUIDÃO” nosso colaborador Roberto Moura Sales foi chamado para levar a BMW F 800 GS ao seu clássico roteiro através do litoral norte de SP. Na segunda-feira seu relato… Não perca!

LEIA TAMBÉM:

  • http://www.vestra.com.br Luiz Augusto Victorino Alves Corrêa

    Uma pena a BWM não trazer a “700” para o Brasil. Além de ser mais baixa (mais propícia para a estatura média dos brazucas), o modelo vem com rodas de liga leve e pneus sem câmera. Quem já teve pneus furados sabe a real vantagem disso.

  • Lorenzo

    Não há dúvida que esta é uma das motos mais ambicionadas por quem aprecia esse tipo de máquina. Porém a BMW deveria cuidar melhor do pós vendas pois são frequentes os relatos de preços exorbitantes praticados por peças e serviços e também de problemas relativos a defeitos recorrentes, tais comno nos punhos elétricos. Alguém confirma?

  • Rocão

    Esta moto é boa pácarai: curvapá dedéu, acelera muito bem, tem ótima final. Só peca na manutenção, cara e com poucas concessionárias, que arrancam o couro sem dó.

  • Rocão

    Complementando: além de tudo, é frugal no consumo de gasolina, chegando a fazer até 22 km/lt quando vamos na toada de 120-130 km/h.
    Agora, a primeira revisão gratuita (?) sai por R$500,00. E as outras então? Amigos meus que a tem passam longe da concessionária, e ela não costuma aborrecer com problemas mecânicos. Agora, se deixar deitar… Um chegado comprou uma e numa quedinha boba amassou o escape. Precinho: R$7000,00. O Akrapovic dela comprado no mercado sai por uns 3 paus, menos da metade do preço.Vale dizer que esfolar o cliente não é privilégio desta alemã, mas neste aspecto ela capricha sem dó. O dono da moto manteve o escape amassado, coisa que dá aquela tristeza numa moto nova, mas depois, f#*@-se.

  • Claudiney Dias

    Sem dúvida, é uma bela máquina, mas como nem tudo é perfeito, na primeira volta com minha Trophy, notei um barulho vindo do painel quando trafegava em piso irregular,observei que parava quando o freio dianteiro era acionado,logo descobri se tratar dos discos flutuantes batendo. Liguei na concessionaria que me vendeu a moto, e me disseram se tratar de uma caracteristica do modelo. Inconformado com a resposta, e por se tratar de uma BMW 0KM, enviei um email para a BMW, que até hoje, após sete meses, não se deu ao trabalho de responder. Resultado: perderam o cliente. Vendi a BMW com 700km e comprei uma Tiumph Tiger 800xc, que vou pegar na segunda feira. Vamos ver o pós venda.

    • Flavio C. Santos

      Estou prestes a pegar uma moto nessa faixa de preço e confesso que estou super em dúvidas entre a Tiger e a F 800GS.

      Ouvi diversos relatos sobre o alto aquecimento da Tiger e também já ouvi diversos relatos sobre o descaso do pós venda e preços exagerados da BMW. Dúvida cruel…

      Claudiney, você que pegou a Tiger, como esta sendo, está curtindo?

      []’s

  • André

    BMW F800GS = bomba-relógio! Toma cuidado!

    Por que? Se tiveres paciência, entra no link abaixo e lê, de preferência a versão em “.pdf”.

    http://www.benderbeer.com.br/BMWF800GS_Troubles.html

    Felizmente, já vendi a encrenca. Boa sorte aos que persistirem.

    André.

  • sergio

    falar mal da BMW f800GS é algo inacreditável, uma heresia, mas respeito os companheiros…