Novidades

Testes

Competição

História

Apresentação

Home » Apresentação, Novidades, Testes

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: NINJA 650 E 1000 2017

Enviado por on 14 de Junho de 2017 – 16:111 Comentário
 

Screen Shot 2017-06-14 at 10.48.05 AMScreen Shot 2017-06-14 at 10.49.29 AM

As novas Kawasaki Ninja 650 e 1000 renovadas para 2017 acabaram de aterrisar em solo nacional e já têm preços definidos: R$ 33.990/34.990(versão verde SE) pela 650 e R$ 56.990/59.990 (Tourer verde com malas) pela 1000.

Nós já pudemos rodar com elas em um evento de lançamento organizado pela Kawasaki do Brasil na região de Serra Negra, interior de São Paulo. O dia estava chuvoso e portanto tivemos que tomar certa dose de cautela

Screen Shot 2017-06-14 at 10.48.28 AM

A nova Ninja 650 recebeu todas as alterações feitas à Z 650 também. Portanto está com um novo chassi mais leve que foi o maior responsável pela redução de 208 para 193 kg em ordem de marcha. O bicilindro paralelo mudou um pouco para atender ao Promot 4 e agora fornece mais torque em rotações mais baixas e um pouco menos de potência. Produz 68 cv a 8.000 rpm e 6,7 kgf.m a 6.500 rpm. Outro destaque é a nova embreagem deslizante mais leve e as novas pinças de freio Nissin que param a moto com mais urgência.

O design mudou bastante. A nova frente é mais parecida com as ZX (6 ou 10R) e inclui um para-brisa com regulagem de altura. A traseira ficou como a da Z 650, mas a lanterna em leds forma um X ao invés de um Z. A posição de condução também foi alterada, as pedaleiras formam mais para frente e o guidão mais para baixo e para frente. Ainda assim manteve um excelente nível de conforto.

O ABS é de série e a única coisa que muda na versão SE é a pintura, verde e preta na SE e toda preta na STD.

Screen Shot 2017-06-14 at 10.47.43 AM

Já na Ninja 1000 as mudanças foram, literalmente, menos visíveis. A grande novidade foi uma modernização da parte eletrônica da moto, mas a carenagem frontal também mudou e agora protege melhor seu piloto contra o vento. O novo para-brisa é regulável e a porção inferior foi alargada para proteger melhor as pernas, algo que pudemos sentir no dia frio e chuvoso do test-ride.

Quanto à eletrônica, o maior destaque vai para a adição de um IMU, sensor que mede a inclinação da moto em seis eixos. Resumidamente, isto permitiu a adoção de um ABS inteligente que atua em curvas e de um controle de tração mais moderno e eficaz.

O motor tetracilíndrico em linha de 1.000 cc  permanece totalmente inalterado e segue com seus respeitosos 142 cv a 10.000 rpm e 11,3 kgf.m de torque a 7.300 rpm. Com números tão elevados, já adiantamos que trata-se de um míssil que quase não requer trocas de marcha, tamanha a elasticidade do motor.

Screen Shot 2017-06-14 at 11.35.24 AMScreen Shot 2017-06-14 at 11.22.33 AM

RODANDO – Ao montar na Ninja 650 logo lembramos da Z 650. A posição de condução relaxada é muito similar e, como o motor e o chassi são os mesmos, a semelhança era inevitável. Não falta potência nem torque para nada e raramente precisamos trocar de marchas. Os freios respondem com firmeza e ela muda de direção com bastante facilidade. Uma vez deitada, segue a trajetória com precisão, até mais que sua variante naked pois o peso adicional na dianteira se traduz em maior estabilidade. Por falar nisso, a carenagem também ajuda a te manter aquecido nos dias mais frios e desvia do parte do vento do pescoço para baixo.

Poucos minutos após o início do test-ride já ocorreu a primeira troca de motos e então montamos na nova Ninja 1000. É outro mundo. Ao dar a partida somos recebidos pelo grave ronco do tetracilindro e já na primeira acelerada entendemos do que se trata, um canhão. Os números no velocímetro sobem tão rápido que parece piada, sempre acabamos ficando acima do limite da via, mesmo sem querer. A puxada quando enrolamos o cabo e deixamos os giros subirem é bem forte. Por outro lado, sobra conforto. A posição de condução é amigável graças ao guidão alto e as pedaleiras não muito recuadas. As suspensões macias absorvem muito bem a buraqueira e parecemos flutuar sobre o asfalto. Nas curvas exige um pouco mais de força no guidão para direcionar seus 231 kg em ordem de marcha e precisamos frear com antecedência por conta da velocidade extra que atinge. É muito rápida e muito confortável, mas um tanto pesada.

Saímos contentes após este primeiro contato, aguardem uma matéria completa na Revista da Moto! para mais informações.

LEIA TAMBÉM:

  • Tabajara

    Ficou mais baixa ainda! Minha nossa, moto para anões.