Novidades

Testes

Competição

História

Apresentação

Home » Testes, Um mês ao guidão

YAMAHA XT 1200Z SUPER TÉNÉRÉ, UM MÊS AO GUIDÃO – PARTE 5

Enviado por on 4 de Junho de 2013 – 23:553 Comentários

SolDAttilio Baroni estava com muita vontade de rodar com a Super Ténéré e para ele reservamos um período especial, o fim de semana precedido pelo feriado de Corpus Christi. Deste modo o colaborador teve tempo de submeter a grande Yamaha a todas as condições de uso possíveis.

PlacaTEm exatos 909 km rodados, mais da metade em rodovia, Attilio, segundo ele mesmo, fez de tudo. Andou na cidade, andou na estrada, foi de São Paulo à Campos de Jordão, levando a Super Ténéré a 1.700 metros acima do nível do mar e, na sequência, “despencou” rumo ao litoral, mais exatamente para a cidade de Santos. Rodou bastante na chuva, inclusive à noite, e assim pode conhecer à fundo a aventureira japonesa.

Attilio conta como foi seu contato com a Super Ténéré: “No feriado fui a Campos do Jordão e logo de cara percebi que esta Yamaha tem uma ergonomia muito bem estudada. Na verdade entendo que ela tem um projeto ‘matador’ onde nada foi deixado ao acaso, fazendo jus à grande experiência da marca neste tipo de moto.  Aliás, como ela atrai! Bastava parar para alguém vir comentar, querer saber mais, ou lembrar das Ténéré de outras épocas. Nesta Yamaha o guidão, banco, posição das pedaleiras, protetividade do para-brisa, comandos em geral, tudo colabora para o conforto e bom domínio da moto. Tomei chuva na estrada e pouco me molhei, estava frio e não precisei me agasalhar exageradamente já que a vocação estradeira dessa moto fez os projetistas pensar em detalhes importantes, como o bom desenho dos protetores de mão, do para-brisa e dos defletores nas laterais do painel. Estes dois últimos são opcionais importantes, o para-brisa é maior que o de série, e fazem a diferença na estrada. Quanto ao comportamento dinâmico achei a moto irrepreensível.

Pneu dianteiro: já perto da hora da troca

Pneu dianteiro: já perto da hora da troca

Faz curva como uma esportiva apesar do pneu dianteiro já ter vivido dias melhores. A tortuosa estrada que leva a Campos de Jordão está com o asfalto novinho e ali pude sentir a excelente capacidade desta volumosa moto se comportar como se fosse menor. Ela é surpreendentemente ágil e obedece de maneira fácil aos comandos. O comportamento do motor é curioso pois até 3-3,5 mil rpm, parece áspero, vibrante. Depois disso fica suave até os 6-6,5 mil quando volta a vibrar. Mas isso em vez de ser problema considerei característica. De fato na estrada ela em última marcha mantém 120 km/h a cerca de 3.700 rpm quando o motor está bem redondo.”

EsculDDa serra da Mantiqueira, Attilio passou à outra serra, a do Mar, para descer à Santos, mas antes rodou em na capital paulista, esvaziada pelo feriado. “No uso urbano seria melhor se a Super Ténéré tivesse um câmbio mais macio. Não é que seja ruim, mas os engates não são uma ‘manteiga’. Apesar disso ela é uma moto fácil de levar mesmo com a grande largura do guidão e do peso não exatamente baixo. Com as malas laterais, ela não é tão larga à ponto de comprometer seu uso urbano. As suspensões na esburacada cidade se mostraram ótimas, com boa capacidade de absorção das irregularidades e detalhes importantes como a visibilidade através dos espelhos retrovisores. Quando fui a Santos, aproveitei mais as malas laterais e percebi a razoável capacidade do bagageiro, pleno de pontos de amarração. Mesmo com garupa o comportamento da Super Ténéré se manteve ótimo em curva, com estabilidade irrepreensível e excelente sensação de segurança. E falando nisso, que freios! Apesar do pedal traseiro ser meio esquisito, para dentro, a atuação deles é muito boa. ”

Farol: poderia ser mais potente.

Farol: poderia ser mais potente.

Attilio conclui seu depoimento falando do que não gostou: “O farol é ruim, pior o baixo que o alto na minha opinião, mas que não condiz com o padrão desta moto. Uma aventureira deve ser superior neste item. Os faróis auxiliares são bons, mas o principal deveria ser, sozinho, suficiente. E não é. O consumo é também um ponto meio crítico. Está certo que ela é grande e pesada, mas mesmo usando o modo de potência mais brando, o melhor que consegui foi 16,95 km/l, número que com pressa cai facilmente para perto dos 13 km/l. No entanto isso não derruba o mérito dessa moto, difícil de superar quando o assunto é viajar sem escolher muito o caminho. Rodei um pouco na terra e percebi o quanto ela ‘pede’ para ser pilotada em pé, e como a ergonomia é acertada para este tipo de tocada, com os joelhos bem encaixados, o guidão à mão e o comportamento equilibrado que a caracteriza prevalecendo. Outro recurso ótimo é o controle de tração, que especialmente na chuva ou na terra molhada ajuda muito, até mesmo piscologicamente.”Diário ST-5

E de Attilio a Super Ténéré passará às mãos de outro colaborador, a ser selecionado entre a verdadeira legião de colaboradores que, por curiosidade ou admiração pelo modelo, se candidataram a agarrar o grande guidão desta Yamaha.

CLIQUE PARA AMPLIAR

CLIQUE PARA AMPLIAR

LEIA TAMBÉM:

  • Alexandre Leite de Moraes

    Importante fato sobre o farol: nesta matéria todos se queixaram sobre o farol desta moto. Ele não é ruim. O que ocorre é que esta moto está com o protetor de farol opcional que deve ser usado somente em off-road. No uso noturno em estradas ele atrapalha o facho de luz do farol, bem como reflete luminosidade. Façam o teste, retirem este protetor, limpem o farol e verão como ele é bom.

  • Renato Campestrini

    Amigos,

    Essa reclamação recorrente sobre a potência do farol da Ténéré não está de alguma forma atrelada a essa “bolha” protetora que está instalada.

    Uma vez li um aviso em uma, que esse equipamento somente deveria ser utilizado no fora de estrada.

    Abraço e parabéns por essa seção no site.

    Renato

  • Drausio Hermann

    Muito boa observação, Renato. Na parte 6 do teste isso foi mencionado, inclusive.
    Parabéns a equipe Moto! Esse teste UMAG é muito completo. Dá gosto de ler tanta informação relevante sobre um modelo.
    Se possível, por favor, façam o próximo com a nova Suzuki V-Strom abs.
    Abc a todos